Posts com a Tag ‘Japão’

Japonesa Sawa é considerada melhor jogadora do mundo pela Fifa

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Nesta segunda-feira, 9 de janeiro, a japonesa Homare Sawa sagrou-se a melhor jogadora do mundo pela primeira vez após ganhar  prêmio Bola de Ouro da Fifa. A jogadora ajudou a seleção japonesa a conquistar o Mundial feminino disputado no ano passado na Alemanha, quando a equipe oriental venceu os EUA, da concorrente Abby Wambach,  nos pênaltis, na final da competição.

Siga o Futebol para Meninas no Twitter: @futebolmeninas

Durante a competição, Sawa mostrou sua capacidade e terminou como artilheira com cinco gols, superando a também concorrente no prêmio Marta, que ocupou o posto até o último jogo do torneio. A capitã da seleção japonesa foi ainda considerada a melhor jogadora da Copa do Mundo 2011 e após garantir o título deu entrevista dizendo que nem parecia realidade.

A jogadora tem 32 anos e essa foi a quinta Copa que ela disputou, completando 18 anos com a camisa do Japão.

Além do prêmio de Sawa, Norio Sasaki, técnico das japonesas, levou o título de melhor treinador do futebol feminino e a Federação Japonesa de Futebol recebeu o prêmio de Fair Play.

Meninas do Japão dedicam título à vítimas do Tsunami

terça-feira, 19 de julho de 2011

Ainda em êxtase pela conquista do título da Copa do Mundo de futebol feminino sobre os EUA, as japonesas não conseguem tirar o sorriso do rosto. Afinal, para elas, levar o troféu para casa significou muito mais do que apenas uma vitória dentro dos gramados. Além de alcançarem um feito inédito, as jogadoras tinham por objetivo mostrar às vítimas da Tsunami de Fukushima, ocorrida em março, que era possível dar a voltar por cima. E elas conseguiram.

Siga o Futebol para Meninas no Twitter: @futebolmeninas

“Ainda não consigo acreditar que conseguimos”, declarou a goleira Kaihori ao site oficial da Fifa. “Ficarei muito feliz se conseguirmos dar mais coragem às pessoas do Japão com a nossa vitória. Então, elas poderão ver o que é possível conseguir através da luta.”, completou.

Aya Miyama também concorda com a companheira de equipe e disse que, na sua opinião, o dinheiro que o time ganhou deveria ser enviado aos que sofreram com a tragédia. “Agora, a seleção deveria enviar o dinheiro que ganhou aqui às vítimas de Fukushima. Pelo menos, é o que eu gostaria de fazer com o dinheiro. Espero que consigamos trazer alegria e pensamentos positivos ao nosso país. Até o final, não desistimos e sempre acreditei que podíamos conseguir. Mesmo antes do torneio.”, encerrou.

O Japão venceu os EUA no último domingo, em partida que foi parar nos pênaltis, após 120 minutos eletrizantes. A camisa 1 Kaihori se tornou uma das estrelas do grupo, ao lado da capitã Sawa, após agarrar dois penais.

Capitã do Japão acredita estar vivendo um sonho

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Com 32 anos, 18 deles dedicados à seleção japonesa, a meio-campista Homare Sawa foi um dos grandes destaques da Copa do Mundo de futebol feminino. Merecidamente homenageada – a jogadora levou a Chuteira de Ouro pela artilharia e a Bola de Ouro pro ser considerada a melhor atleta da competição -, a camisa 10 do Japão contou após a conquista do título, ao site oficial da Fifa, que estava se sentindo em um sonho.

Siga o Futebol para Meninas no Twitter: @futebolmeninas


“Esta é a minha quinta Copa do Mundo, mas não tinha conseguido nada nas quatro anteriores. Por isso estou muito feliz com o resultado. A espera foi muito longa e estou me sentindo muito aliviada, pois passei por momentos difíceis vivendo do futebol feminino no Japão. Nem parece realidade”, disse, emocionada.

Indaga se imaginava que seria escolhida como melhor jogadora do torneio, a capitã japonesa disse que não. Ela ainda aproveitou para dedicar as conquistas às companheiras de equipe, pois segundo ela, sem as outras jogadoras nada disse teria sido possível, nem os títulos individuais.

“É absolutamente incrível ganhar todos estes troféus. Mas eles não são para mim. A equipe como um todo deu uma contribuição fundamental para que eu pudesse ganhar estes prêmios. Não posso me orgulhar pessoalmente de tê-los conquistado”, encerrou.

Esta foi a primeira vez que o Japão conquistou a Copa do Mundo de futebol feminino. As japonesas venceram os EUA em partida eletrizante, que foi parar os pênaltis, com destaque para a goleira Kaihori, que fez história ao agarrar dois penais.

Final entre EUA x Japão bate record de mensagens no Twitter

segunda-feira, 18 de julho de 2011

A final do Mundial feminino, disputada entre EUA e Japão, no último domingo, 17 de julho, rendeu à competição um recorde de mensagens publicadas por segundo no Twitter. O jogo, que terminou com a vitória japonesa nos pênaltis, teve mais postagens até mesmo que o casamento real britânico, entre William e Kate, e que a morte do terrorista Osama Bin Laden.

Siga o Futebol para Meninas no Twitter: @futebolmeninas


A dramática decisão entre americanas e japonesas provocou 7.196 mensagens por segundo, de acordo com o próprio Twitter. Já a vitória do Paraguai sobre o Brasil, em que todos os jogadores brasileiros perderam pênaltis, chegou aos 7.166 “tweets”.

O record anterior havia acontecido na virada do ano, no Japão, quando 6.939 mensagens foram postadas ao mesmo tempo.

As meninas estão mesmo com tudo!

Camisa 10 do Japão é considerada a melhor jogadora do Mundial

domingo, 17 de julho de 2011

Depois de vencerem os EUA nos pênaltis e se sagrarem campeãs mundias, as japonesas tiveram a meia Sawa escolhida como a melhor jogadora da competição. A camisa 10 também levou um troféu por ser a artilheira do Mundial com cinco gols marcados, um deles na partida de hoje.

Siga o Futebol para Meninas no Twitter: @futebolmeninas

Em segundo lugar, ficou Wambach, cabeceadora de primeira, e em terceiro a goleira musa Hope Solo.

A vitória da superação: japonesas são campeãs mundiais

domingo, 17 de julho de 2011

Com estádio completamente lotado em Frankfurt, as meninas do Japão sagraram-se campeãs da Copa do Mundo de futebol feminino pela primeira vez na história. O resultado em 2 a 2 na prorrogação levou a partida para os pênaltis e a goleira Kaihori pegou dois pênaltis, além de Lloyd e Boxx jogarem para fora.

Siga o Futebol para Meninas no Twitter: @futebolmeninas

No primeiro tempo do duelo só deu EUA. No entanto, sem sorte e com as japonesas atentas, as americanas não conseguiram balançar a rede, apesar de assustar algumas vezes.

A segunda etapa foi marcada por muita correria das duas equipes. Ambas com muita vontade de abrir o placar, tentavam incansavelmente. Já aos 3 minutos, Morgan recebeu pela direita e chutou na trave. Aos 18, recebeu lançamento no meio da área e assustou mandando para gol pelo lado de fora. Pouco tempo depois, foi a hora de parar de assustar e realmente marcar. Morgan recebeu livre no meio e mandou um foguete no canto direito do gol. Aos 34, foi a vez do Japão marcar com Miyama, após confusão da defesa americana. A partida terminou empatada no tempo regulamentar  precisou ir para a prorrogação.

Com 13 minutos do primeiro tempo, Após assistência de Morgan, Wambach cabeceou livre no ângulo. Nos minutos finais da prorrogação, após escanteio a camisa 10 Sawa marcou para as japonesas e deixou tudo igual, levando a partida para os pênaltis.

Na disputa de pênaltis quem brilhou foi a goleira Kaihori, do Japão. Ela agarrou dois pênaltis e contou com a sorte quando Lloyd e Boxx mandaram para fora sua cobrança. As japonesas venceram por 3 a 1.

Eua x Japão: Nahomi Kawasumi driblou a desconfiança

domingo, 17 de julho de 2011

Quando ninguém esperava, lá estava ela. Nahomi Kawasumi era apenas uma reserva esperando por uma chance na seleção principal do Japão. Mas no último jogo da equipe, quando as japonesas desbancaram a Suécia por 4 a 2, a estrela da camisa 9 brilhou. Ela foi uma das responsáveis pela vitória que levou o time até a final do Mundial, já que marcou dois gols na partida.

Siga o Futebol para Meninas no Twitter: @futebolmeninas

Com 25 anos, a jogadora do Leonessa de Kobe, do Japão, espera ansiosamente para disputar o jogo que diz ser o mais importante de sua vida e ela tem uma explicação por estar atuando tão bem na competição.

“Dá para dizer que peguei toda aquela força e energia que havia economizado e consegui colocar na partida contra a Suécia.”, explicou ao site da Fifa.

Para a jovem de 25 anos que saiu do banco para o estrelato, um vitória nste domingo, 17 de julho, seria muito mais do que um simple conquista. Seria a possibilidade de mostrar para o mundo que o Japão também forma jogadoras de ponta. Então, para saber quem leva o caneco para casa, fique ligado às 15h45 no nosso Twitter. Lá você poderá acompanhar a partida lance a lance.

EUA x Japão: Saiba mais sobre a goleira Hope Solo

domingo, 17 de julho de 2011

De menina mimada à musa da Copa do Mundo 2011. Foi assim que Hope Amelia Solo deu a volta por cima e conseguiu apagar a má impressão que deixou em 2007, quando discutiu com o treinado Greg Ryan após ser sacada do time momentos antes de disputar a semifinal do Mundial contra o Brasil. Mas lógico que essa superação não veio só por conta do rostinho bonito. Em campo, Hope mostrou por que é considerada uma das melhores goleiras do mundo.

Siga o Futebol para Meninas no Twitter: @futebolmeninas

A camisa 1 dos EUA nasceu em Richland, no Estado de Washington. Lá ela começou a dar os primeiros passos no mundo da bola, primeiro no colégio Richland High School, entre 1996 e 99, e mais tarde na Universidade de Washington, de 99 a 2002, onde despontou como uma grande jogadora. Era a menina apaixonada por esportes e por crianças – ela inclusive pensa em montar um projeto em sua cidade para incentivá-las a se envolver com o esporte -, virando uma mulher que alguns anos depois se tornaria um ícone da modalidade.

Hope iniciou sua carreira profissional atuando pelo Philadelphia Charge, depois teve pasagens pelo time sueco Kopparbergs / Göteborg FC, na Divisão Premier em 2004 e pelo o Lyon na Primeira Divisão francesa, em 2005.  Três anos depois, ela se transferiu para o Saint Louis Athletica, onde disputou a Liga Profissional Americana. Em 2010, passou a vestir as cores do Atlanta Beat e hoje atua pelo MagicJack, de Boca Raton, na Flórida.

Sua história na seleção americana também é vasta. Ela integra a equipe desde a categoria sub-16 e só se tornou goleira titular da equipe principal em 2005. Com as americanas, Solo conquistou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2008, após a confusão com o treinador Greg Ryan no Mundial de 2007. O jogo contra o Brasil foi emocionante e só terminou na prorrogação, quando as norte-americanas fizeram 1 a 0.

Quando o assunto é coração, a vida da moça anda meio indefinida. Ela saiu dos EUA namorando o promoter Adrian Galaviz. Só que dizem por aí que ela andava, digamos, meio incomodada com algumas atitudes do moço. Em seus jogos, por exemplo, ele sempre ia vestido com uma bandeira do país. Somente com ela. Estranho, né? E se isso era motivo para terminar, depois da copeitção, o que não faltará é pretendente.

Neste domingo, 17 de julho, a musa da Copa do Mundo espera ter o gostinho de estar entre as melhores do mundo mais uma vez. A camisa 1 entra em campo com suas companheiras para enfrentar o Japão pela final do Mundial, a partir das 15h45.

Personalidades do futebol feminino palpitam sobre a final do Mundial

sábado, 16 de julho de 2011

Faltando pouco mais de 48 horas para a final do Mundial Feminino entre a tradicional seleção dos EUA e a boa surpresa Japão, procuramos algumas personalidades do universo futebolístico feminino e perguntamos: Quem levanta o caneco da Copa? EUA ou Japão? Confira os palpites!

Siga o Futebol para Meninas no Twitter: @futebolmeninas

Michael Jackson dos Santos, ex-jogadora da seleção brasileira: “Eu acho que o Japão vai ficar com o título, porque está jogando bem, está bem preparado fisicamente e taticamente esta bem definido. É de encher os olhos! A seleção japonesa vem se praparando para ser campeã e cresceu muito nos últimos anos.”

Ademar Fonseca, o Dema, Diretor de Futebol Feminino do Palmeiras: “EUA -  É uma equipe que neste mundial realizou um jogo de superação contra o Brasil, marcando a um minuto do término da prorrogação, e conquistando a classificação nos pênaltis para semi. Superou a França jogando muito bem, enfim ….. tudo isso ajuda muito a ter um equilibrio emocional, a auto estima da equipe está em cima, sem falar do peso da história na conquista de títulos.”

Romeu Castro, SAAD: “Os Estados Unidos na final de um Mundial não representa nenhuma novidade no universo do Futebol Feminino. Mas poucos poderiam apostar que o adversário sairia da Ásia, já que o Brasil e a anfitriã Alemanha vinham a frente do Japão na lista de favoritas. Ofuscado pelas conquistas da China na categoria principal, e da Coréia do Norte nas seleções de base, os poucos resultados de expressão das japonesas vieram em competições amistosas, como no terceiro lugar obtido na Algarve Cup no início deste ano, que elevou as meninas da Terra do Sol Nascente para o inédito quarto lugar no Ranking da FIFA. Apesar do entusiasmo por chegar à sua primeira final num evento oficial da FIFA, o retrospecto deste confronto é amplamente favorável à equipe do Tio Sam. Para não citar a imensa diferença do passado, tivemos dois jogos disputados entre os finalistas da Copa da Alemanha já neste ano, ambos com vitória dos Estados Unidos: 2-1 no dia 02 de março em San Antônio e 2-0 no dia 18 de maio, em Cary. Esses jogos fizeram bem ao Japão, que absorveu muito do estilo de jogo das adversárias, inclusive nos artificios utilizados para segurar um resultado favorável, como na vitória por 3-1 diante da Suécia. Tivesse o Brasil seguido o mesmo modelo de trabalho, talvez o adversário do Japão fosse outro nesta final, mas como o “se” não existe no futebol, meu palpite aqui fica para uma vitória dos Estados Unidos, que aliás já comemorou nesta semana a conquista do ESPY Awards pela memorável vitória nos penalties sobre o Brasil.”

Ester, meio-campista da seleção: “Meu palpite é de que o Japão leva o título este ano.”

Marcelo Frigerio, técnico brasileiro que comandou a seleção da Guiné Equatorial no Mundial: “EUA. Tradição, camisa e um time muito sólido.”

E para você, quem levanta o caneco amanhã na final do Mundial Feminino na Alemanha? Nós do FPM esperamos que seja um jogão e parabenizamos as duas seleções que com muita garra chegaram a esta final inédita!

Meninas da Suécia estão torcendo pelo Japão na final

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Na última quarta-feira, 13 de julho, apesar de começar a partida vencendo, a seleção da Suécia não conseguiu manter o placar e foi derrotada pelas japonesas na semifinal da Copa do Mundo de futebol feminino. O resultado de 3 a 1 tirou as européias da final e agora, elas irão disputar o terceiro lugar com a França. Mas se você pensa que elas não vão ficar de olho na grande final da competição, está muito enganado. Depois de jogarem no sábado, as suecas sintonizam na telinha no domingo, data em que será decidido o grande campeão.

Siga o Futebol para Meninas no Twitter: @futebolmeninas

A zagueira Charlotte Rohlin, que na última partida da equipe entrou com a braçadeira de capitã após Caroline Seger sentir uam lesão, já tem torcida. A moça disse que ela e as meninas assumem que o Japão realmente jogou melhor e que, por isso, merece levar o caneco para casa.

“O Japão jogou muito bem e simplesmente não conseguimos encontrar uma falha. Fomos derrotadas por um adversário melhor. O Japão era bom demais para nós. Espero que ele vença a Copa do Mundo, porque merece. A final contra os Estados Unidos será dura, mas as japonesas podem vencer.”, afirmou ao site oficial da Fifa.

A disputa do terceiro lugar está marcada para o sábado, às 13h30, enquanto a grande final será no domingo, às 15h30. Fiquem ligados! No Twitter do Futebol para Meninas, você poderá acompanhar os jogos lance a lance.